havia um resto de sal azul no lado esquerdo




estremunhava-se ainda na quadragésima primeira página:





pestanas.pouco.mais.


e tenra carne.








imagem R Giger. Lanscape

8 comentários:

Ruela disse...

a sombra perscruta o movimento
do olhar
o sabor das axilas na tua boca, no teu umbigo
enfim nas tuas pálpebras

nana disse...

e o para sempre.

legivel disse...



uma lágrima salgada

caiu sobre o epílogo

era o o fim, o nada.



na mesa, esperava-o
a carne assada.


óptima semana com sorrisos!

Gi disse...

(e tenra carne)

.

lágrima de sangue

num mar azul

roxa

de raiva

JRL disse...

Tudo em si é tão carregado de simbolismo, nas tantas facetas que vai deixando ao sabor da pena, tão crua e tão cheia. Até o pi, esse número que para os antigos seria próximo do 3... o 8, deitado, é um infinito infindavelmente inscrito nos olhos de quem o vê... Um beijinho

JRL disse...

et... des fois, les passages sont pas du tout sages...

~pi disse...

bem vinda, joana!



:)

~pi disse...

abraço a todos...

Loading...