~





Il non-pendolo di Foucault






rotação (

e logo os cabelos ata, ata, en rola, presos a nós aço s digo que aço s e

digo que me tragas em ti toda

em brulhada

( as estações do tempo na superfície da pele - cinco risos in ocentes -

que são os que abro na mão onde espero onde o vento onde

nevas chovo turva ) ( onde raiz es me engrossa s

veias de folha macia lá dentro estre lar-te todo

mil olhinhos orbitais

que delta-em-nós traces ais - cinco rios sussurrantes

onde se acase de espanto o centro uno do pão a planta nua dos pés

) como menino que nasce







~

34 comentários:

~pi disse...

gostaria de dizer

aqui

que clotilde e orlando

cresceram

voaram

voltaram,

rompem o ar e

são aves,

por

vezes,

acompanho-os

e aguardo aqui

um horizonte

um canto

com pés

com

asas,






abraço-vos







~

hfm disse...

Estranha simbiose de passos que se entrelaçam - como "menino que nasce".

Rayuela disse...

Pasos
entre*lazados con besos

Plantas perennes,
plantas de pies

mientras
las
mariposas
mientras

y
el
niño
que
nace


**************
besos*********

Babi M.S. disse...

e com o menino que nasce, nasce também um lindo poema, e como as aves que voam, voam palavras!
lindolindolindo!
smack
até

entre dentes disse...

arco-íris de tíbias soltas
desiguais, estontecidas, a voltar a casa?

burro disse...

até um dia

a clotilde e o orlando

vão voltando...




fui a um restaurante chinês e o casaco que estaca nas costas da cadeira caíu ao chão. o empregado apanhou-o e disse-me: xinhô eu pendulo, xe qué eu pendulo

disse...

...e você?..linda poetisa!

pi&phi disse...

Sim o pássaro cantar, pode assinar.
Eu assinaría, sem dúvida.
Beijo.

Arabica disse...

simbiose


a child is born...bill evans...ao pequeno almoço...veias de pautas?

pautas nas asas?


Beijos orbitais

:)

shh disse...

e
os
pássaros
vestidos
de
penas
não
têm
uma
única
pena
de
voar

lupussignatus disse...

ínsulas

presas

nos

cabelos

heretico disse...

poema inciático. eco(s)de risos inocentes. que as pedras são demasiado solenes.

embrulho-te em "mil olhinhos orbitais"...

gostei muito

beijos

entre dentes disse...

delta-nós de espanto**

/t. disse...

warm rain

this is you,
beautiful ~pi

¤ ¤ ¤

/t.

Chousa da Alcandra disse...

E ti? Tamén voas pendurada do arco do ceo?

Bonito xeito de expresar-te

Beijos pendulares

L.Reis disse...

...enquanto tento desentrelaçar as palavras, fogem-me os sentidos, para o balanço cadenciado da chuva daquela fantástica imagem.

tempusinfinitae disse...

Cinco como o Maio que nasce

Cinco como as raízes que desato de (tuas) Mãos

Cinco como Quinas incendiadas na bandeira dos teus cabelos

Cinco como sinais do Coração

tempusinfinitae disse...

A Orlando e Clotilde o céu azul.

clanDestino. disse...

Fiquei entristecido ao saber que não possuis a audição.

D.

mdsol disse...

~Pi:
Por motivos variados não tenho podido andar por aqui. Vou espreitando a correr, sem tempo para deixar rasto! Fico contente com as tuas visitas e peço desculpa por não poder retribuir. Qualquer dia entra tudo na "normalidade". É que quem perde sou eu!
Um bom dia para ti.
bjs
:))

entremares disse...

O rei das pedras sorriu.
Nada precisava de fazer sentido.
Nem o tempo.
Ou não fosse ele uma pedra.

Simone Oliveira disse...

E irão, voltarão....
Tb em bem-me-quer e mal-me-quer.
A vida é um catavento!
Bjs

triliti star disse...

nasce o menino no voo da ave...

RAÚL disse...

foucault se va a resfriar como siga empapándose de lluvia!! o enferma o limpia todos sus pecados, una de dos.

Ruela disse...

Ficas-te linda na fotografia mas vais ficar tb toda molhada ;)))



bjs.

AnaMar (pseudónimo) disse...

Sublime.

mariab disse...

embrulhada nas tuas palavras me deixo ficar. escuto o sussurro dos cinco rios.
beijos

anitta disse...

como un renacer
precioso
un beijo

Vieira Calado disse...

Um poema de múltiplos recheios entrelaçados.

Cumprimentos

Oliver Pickwick disse...

doo-dloo-doo-doo-doo-doo

doo-dloo-doo-doo-doo-doo

dee-ah dee-ah dee-ah

dee-ah dee-ah dee-ah...

poetizando na chuva

eu estou poetizando na chuva...

Um beijo!

Dalaila disse...

e eu li um livro maravilhoso também que me fizeste lembrar: o Pêndulo de Foucault do Humberto Eco.

Beijinhos

maria m. disse...

a água escorre sobre o corpo, purifica e ele como que renasce.

jugioli disse...

Vida líquida
líquida
água
doce
mar


@dis-cursos

Anônimo disse...

Por que foi que cegámos, Não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso, Diz, Penso que não cegámos, penso que estamos cegos, Cegos que vêem, Cegos que, vendo, não vêem.


José Saramago

Ensaio sobre a cegueira

Loading...